Esteatose Hepática ou gordura no fígado: saiba mais sobre essa doença

thumbnail

Nós já falamos sobre o fígado e o seu poder detox em um outro artigo, que se você ainda não leu, vale muito a pena correr lá. Aqui, continuamos a falar sobre este órgão importantíssimo, mas dando foco a um outro tema.

O que é Esteatose hepática?

Você já ouviu falar de uma condição chamada Esteatose Hepática? Você pode não conhecer essa terminologia, mas tenho certeza que já escutou falar dela. A esteatose hepática, nada mais é do que a famigerada gordura no fígado. É o que acontece quando as células do fígado são infiltradas por células de gordura.

É natural ter um pouco de gordura acumulada no fígado, afinal, ele é responsável por filtrá-la e retirar os nutrientes que o nosso corpo precisa, mas quando temos mais de 5% de gordura, temos que tomar alguns cuidados.

Quais são as causas? 

A esteatose hepática pode ser dividida em duas categorias: a alcoólica e a não alcoólica

Esteatose hepática alcoólica

O nome diz tudo, ela se desenvolve em pessoas que ingerem álcool em excesso, principalmente das que sofrem com o alcoolismo. 

Esteatose hepática não alcoólica 

Já esse tipo, pode ocorrer por diversas causas. As principais são o sobrepeso e a obesidade, já que os casos de esteatose hepática entre essas pessoas somam mais da metade. Além disso, ela também pode ser causada por hepatites virais, como a B e C, diabetes, resistência a insulina, colesterol alto e uso de hormônios como corticoides e estrógeno e em pessoas que já tenham doenças crônicas no fígado. Ela também é uma doença que se desenvolve de maneira silenciosa, ou seja, sem a apresentação de sintomas claros e pode ser diagnosticada por meio de um ultrassom abdominal quando nota-se o fígado de tamanho maior do que o normal.

Consequências da esteatose

Com o passar do tempo a gordura presente no fígado pode acabar gerando um processo inflamatório no corpo chamado de esteato-hepatite, que caso não seja identificado logo, pode evoluir para uma cirrose hepática e até mesmo câncer de fígado. Além disso, ela também pode aumentar o risco de doenças cardiovasculares. 

Tratamento e prevenção de esteatose não alcoólica 

Mas tudo isso tem tratamento e, como a gente sempre fala aqui, uma boa alimentação é a base de tudo. A princípio, a medida mais eficaz para o tratamento desta doença é a perda de peso. Para isso, é necessário ter uma dieta pouco calórica, evitar frituras, gorduras, alimentos processados, doces e o consumo exagerado de álcool e dar prioridade às frutas, legumes, verduras, fibras e carnes magras. Sem acúmulo de células de gordura no fígado, evita-se a esteatose.  

Mexer o corpo também é fundamental. Aposte em pelo menos 30 minutos de exercício aeróbico cinco vezes por semana e exercícios de resistência muscular pelo menos duas vezes por semana. E com isso terminamos o nosso papo sobre o fígado.

Então, quero saber aqui nos comentários: vocês já estão seguindo esses passos para melhorar a sua alimentação e evitar a esteatose hepática?

Sou Nanda Carvalho, farmacêutica e professora por vocação e apaixonada por aprender, conhecer, ensinar e informar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top
error: O conteúdo está protegido !!